Dicas gerais Imigração

O que saber antes de se mudar para os EUA

Por causa da crise atual no Brasil, muitos brasileiros estão desanimados com o rumo do país e começam a pensar em se mudar para os Estados Unidos a qualquer custo. Gente, calma! Não é bem por aí! Será que você está mesmo preparado? Será que sair do Brasil representará uma coisa boa para você?

Em primeiro lugar, você precisa se fazer muitas perguntas e também precisa de planejamento. Não venha “na louca”, com uma mão na frente e outra atrás, com visto de turista achando que vai conseguir um emprego aqui. Isso é ilegal e é ilusão.

“Mas eu quero muito, muito morar nos Estados Unidos. Por onde começar?”

Acho que posso ajudar, pelo menos mostrando alguns primeiros passos. Pensando nisso, preparei um checklist com 13 pontos para você tomar como ponto de partida, refletir a respeito e iniciar a sua pesquisa. Seja honesto consigo mesmo; as suas respostas mais sinceras não deixarão você trocar o certo pelo duvidoso e cair em uma cilada.

Perguntas que deve fazer a si próprio:

1. Gosto dos Estados Unidos e dos americanos?

Antes de vir em definitivo, você precisa saber se pelo menos gosta daqui. Se possível, venha uma vez a passeio para ver como é o país, a cultura, as pessoas, o clima. Você tem que ter certeza que gosta dos Estados Unidos e dos americanos antes de sequer pensar em vir para morar.

2. Qual a melhor cidade para eu morar nos Estados Unidos?

Para escolher a cidade ideal para você, procure por depoimentos de brasileiros que já moram por lá há algum tempo (leia os nossos posts sobre as cidades americanas, com diversos desses depoimentos). Também pesquise custo de vida, clima, taxas de desemprego, escolas, taxa de criminalidade, etc. City-Data é um site bacana para essas pesquisas.

3. Quais as possibilidades de visto?

Informe-se sobre todas as suas possibilidades de visto para ver qual melhor se adequa à sua situação atual. Acesse o site da Embaixada Americana em Brasília para conhecer os vistos disponíveis e verificar qual se encaixa ao seu perfil. Se não encontrar um visto adequado, anote os requisitos necessários para se conseguir um visto ideal para você e trabalhe em cima deles, corra atrás deles. Seus planos serão adiados um pouquinho, mas se o seu objetivo for claro, se você fizer um planejamento e trabalhar nisso, tudo valerá a pena um mais para frente.

4. Como funciona? Eu terei acesso?

Você tem certeza que gosta dos Estados Unidos, já veio pra cá várias vezes e tudo mais… Mas passear é diferente de morar, certo? Imagine-se morando aqui, imagine como precisará lidar com as coisas do dia a dia. Informe-se sobre como funciona o sistema de saúde (aqui tudo custa muito caro, mesmo com plano de saúde; nada é gratuito como o SUS brasileiro), sobre quanto uma família costuma gastar por mês para viver (ex.: “Gastos com Alimentação nos EUA“), se você pode trabalhar na sua área ou não, se os seus filhos poderão frequentar a escola (escola pública só a partir dos 5 anos de idade e as particulares costumam ser bem caras; não existe creche gratuita), se você terá condições de pagar uma universidade (não temos universidades gratuitas), enfim, coisas práticas do cotidiano.

5. E meu futuro?

Pense no futuro: quais as possibilidades de uma aposentadoria aqui? Você poderá trazer do Brasil outros membros da sua família para morar com você nos Estados Unidos?

6. Terei os mesmos direitos trabalhistas que tenho no Brasil?

Tenha em mente que aqui não há tantos feriados, o esquema de férias é diferente e mais curto, não há falta remunerada (esqueça os famosos e tão usados atestados médicos aí do Brasil) e muito menos seguro-desemprego. Você tem que estar disposto a trabalhar mais e ter menos direitos trabalhistas.

7. Preciso guardar dinheiro para poder ir?

Não venha com uma mão na frente e outra atrás; guarde dinheiro, pois o começo (principalmente) pode ser difícil.

8. Posso deixar para aprender inglês nos Estados Unidos?

Aprenda inglês ainda no Brasil. Vir falando pelo menos um pouco do idioma é importantíssimo, pois você precisa saber se comunicar.

9. Sou muito ligado à minha família. Terei problemas com a distância?

Para morar aqui, tem que saber lidar com saudade, pois não é NADA fácil ficar longe de família e amigos de longa data e não participar dos domingos em famílias, de comemorações de aniversário, casamentos, formaturas, Natal, etc. Está disposto a abrir mão? Se seus pais forem idosos e precisarem de assistência, como vai ser? Pense a respeito.

10. Não abro mão de empregada e babá. Conseguirei ter esses serviços?

Provavelmente não, pois são serviços muito caros. O americano médio não tem empregadas e as tarefas da casa geralmente são divididas entre os membros da família. Babás são contratadas apenas em situação de extrema necessidade. Se você não limpa a casa e nem cozinha, não nasceu em berço de ouro e mesmo assim quer vir pra cá, é melhor começar a aprender as tarefas domésticas. Isso será ótimo para o seu crescimento e dos membros da sua família. Mas você precisa estar disposto(a) a tal mudança.

11. Tirar um pouquinho de vantagem faz mal?

Não tente aplicar o “jeitinho brasileiro” por aqui. Se você pretende sair do Brasil para ter uma oportunidade melhor, dê um “reset” na sua vida e comece tudo de novo, pois aqui esse tipo de atitude é destoante e vista com maus olhos. Os próprios brasileiros que vivem aqui há bastante tempo não suportam e não fazem a mínima questão de conviver com brasileiros que saíram do Brasil mas que o Brasil não saiu deles.

12. Posso viver como no Brasil, mas fora dele?

Sua vida NÃO será mais como no Brasil e meu conselho é que não lute contra esse processo natural. Aceite as mudanças; não seja uma pessoa teimosa e fechada, que só convive com brasileiros, ou sinto dizer que sua estadia aqui não vai durar. Para mudar de país, você precisa ter cabeça e coração abertos para choques culturais e ser adaptável a mudanças, não achando que o que se faz no Brasil é o certo e o que se faz na América é errado — e vice-versa. São mundos diferentes e você tem que estar aberto a entender e aceitar isso, sem julgamentos ou imposições.

13. No que preciso mudar?

Você tem que estar disposto a “renascer”, aprender do zero, começar de novo… pois uma vez aqui, você vai MUDAR — para melhor, pois a tendência é você amadurecer e crescer como ser humano, contanto que se mantenha humilde e não se ache melhor que ninguém.

Mudar de país é uma decisão muito importante da qual você só tem a real dimensão quando chega aqui. Então, faça a sua parte e se assegure de que seja feito um mapeamento e planejamento antes de pisar em solo estrangeiro. E boa sorte!

Carol

mudar para os EUA

Compartilhe

No Comments

Leave a Reply