Cidades americanas Ohio

Como é morar em Bluffton, Ohio

Bluffton é uma vila no estado de Ohio que fica entre as cidades de Lima e Findlay. Em 2015, Bluffton contava com 4.161 habitantes, segundo o United States Census Bureau. É um lugar pequeno, mas com 9 famílias brasileiras. Quem nos conta é a Tatiana Romeiro, que se mudou pra lá há 8 meses com o marido e a filha. Boa leitura!

Bluffton

 


BLUFFTON, OHIO

Quem sou e como vim parar aqui

Meu nome é Tatiana Romeiro e sou natural de São Caetano do Sul, São Paulo. Há 8 meses moro com meu esposo Rodrigo Romeiro e minha filha Laura Romeiro na cidade de Bluffton, estado de Ohio. Viemos pra cá em decorrência da transferência do meu esposo pela empresa onde ele trabalhou no Brasil por 22 anos.

No Brasil eu lecionava para crianças da alfabetização ao 5º ano do Ensino Fundamental. Tenho especialização em Violência Doméstica pela USP e Psicopedagogia pela Universidade Metodista. Meu visto não permite que eu trabalhe nos Estados Unidos no momento, e acredito que será um pouco difícil ter aqui a mesma ocupação do Brasil. Mas pretendo fazer algum trabalho voluntário.

Chegamos em Bluffton no dia 27 de dezembro, com bastante frio, e tivemos a oportunidade de ver a neve pela primeira vez. Ficamos encantados com tudo e estávamos bastante ansiosos para começar a nossa vida neste novo lugar. Nem o frio, nem a neve fizeram com que o encanto se quebrasse. 🙂

Sobre a adaptação

Nossa adaptação foi tranquila e gradual. Meu esposo pode ficar conosco durante a primeira semana e conhecemos juntos os grandes mercados e lojas dos EUA. Levamos cerca de 4 dias para conhecer o Walmart inteiro… (risos)

Para a nossa surpresa, encontramos tudo o que precisávamos e em minha casa temos sempre o arroz com feijão. Os cortes das carnes são diferentes, mas já aprendi a usá-los também. A variedade de frutas e verduras são mais limitadas do que no Brasil, mas não sinto falta de nada.

Estávamos muito apreensivos com a escola e a adaptação da Laura aos novos costumes, mas ela tirou de letra. Quando chegamos na escola fomos imensamente bem recebidos. O diretor é uma pessoa incrível! Você acredita que é ele quem atravessa as crianças de um lado para o outro? Todos os dias, faça chuva, frio ou calor! Como professora no Brasil, ver esse tipo de coisa encanta, sabe? Encontramos na escola uma missionária americana, Renny Snare, que morou durante 32 anos no Brasil e fala português fluentemente. Uma pessoa incrível!

Temos também outras pessoas que nos ajudam, uma americana que fala espanhol e português e que está sempre disposta a nos acompanhar e dar aquela ajudinha e uma brasileira que é professora de inglês e que vai conosco no banco e em consultas médicas quando precisamos.

Aprendendo inglês “do zero”

Sobre o inglês… Bem, para quem fala português com todas as suas normas de acentuação e conjugação de verbos, o inglês gramaticalmente não é tão difícil assim. Nunca — vou dizer novamente com muita vergonha agora — NUNCA estudei inglês no Brasil. Porquê? Porque minha profissão nunca pediu, porque preocupei-me em fazer especializações de outros tipos, porque fui limitada e não pensei no futuro.

Chegando aqui, percebi que entendia muito melhor do que eu pensava e meu esposo (que estava super preocupado) relaxou um pouco quando viu que eu estava ajudando-o a entender esta ou aquela frase. O Rodrigo teve a oportunidade de estudar um pouco mais o idioma no Brasil. Ver filmes, ouvir música, assistir séries em inglês enquanto eu ainda estava no Brasil ajudou muito.

Pensando em aprender mais e tendo uma mente super inquieta, entrei na aula de quarta-feira com a professora Talita (que disponibiliza o seu tempo gratuitamente) junto às outras brasileiras que moram aqui. Nas sextas-feiras temos aula com uma professora americana que leciona na Universidade de Bowling Green e que também dá aulas gratuitamente para a gente e tornou-se uma amiga para nós, brasileiras. Ao perceber que eu precisava de reforço, contratei uma professora particular para mais 2 aulas por semana. Isso foi um divisor de águas para mim que não sabia nada e agora sei um pouquinho! Hoje consigo conversar um pouco com alguns amigos americanos, mas o meu pequeno vocabulário ainda está aquém de um diálogo mais elaborado!

Sobre Bluffton, Ohio

Bluffton não é considerada uma cidade e sim uma vila que faz parte de dois condados: Allen e Hancock. A parte de Bluffton que fica em Allen pertence à Área Estatística Metropolitana de Lima, enquanto que a parte de Bluffton que fica em Hancock pertence à Área Estatística Metropolitana de Findlay. Lima e Findlay são cidades.

Bluffton foi fundada em 1831 por missionários menonitas (igreja muito comum por aqui e não muito conhecida no Brasil) suíços, alemães e irlandeses.

É, basicamente, uma cidade rural. A maior parte de seus habitantes trabalha nos campos de milho, soja e trigo. Os que não trabalham na lavoura, desempenham funções nas empresas da região ou são médicos, professores e outros profissionais.

Por ser uma cidade do interior, a população é formada por idosos e casais que procuram uma vida mais sossegada para criar seus filhos.  É bastante comum vermos famílias com 4, 5, 6…. 12 filhos!

Há um número grande de professores universitários em Bluffton e acredito que a população de forma geral possui o ensino superior (não posso precisar com certeza).

Os americanos e a cultura americana

No Brasil, sempre ouvimos dizer que os americanos são frios, “na deles”, que não possuem o hábito de travar amizades… e um monte de besteiras. Sim, besteiras! Digo isso porque aqui encontrei pessoas bem mais receptivas que muitos brasileiros. É importante vir de coração aberto e respeitar o espaço do outro.

Ainda tenho poucos amigos americanos, mas eles são pessoas incríveis! Participam das nossas festas, interessam-se por nossa cultura, querem experimentar nossa comida (amaram nosso churrasco brasileiro!), estão dispostos a aprender a nossa língua. Retribuímos com o nosso respeito às tradições e costumes americanos. Sim, amigo, você não pode vir para outro país e querer que tomo mundo dance samba com você, certo? Precisa aprender a falar mais baixo em público, precisa usar uma roupa mais comportada na piscina da cidade, precisa ter vontade de aprender a cozinhar a comida local, precisa abrir a cabeça e o coração para o novo! Para exemplificar como os americanos são, vou contar algo que aconteceu comigo no último final de semana. Fizemos amizade com uma família americana que mora próximo à minha casa e, durante uma conversa, contei à ela que amo comer abobrinha. Pois, no domingo quando cheguei em casa, havia uma sacolinha pendurada na porta da frente com um recadinho super fofo e dentro um pão delicioso de… abobrinha, é claro! Ainda quente!

Viu? Depois de ler isso você ainda acha que o americano é frio? No, I don’t think so… 🙂

Como é morar em Bluffton

Há pontos positivos e pontos negativos de se morar em Bluffton.

  • Positivos: temos muito espaço, as crianças podem brincar no jardins e andar de bicicleta livremente. No verão, temos uma piscina pública que podemos usar pagando apenas uma pequena taxa. As pessoas são cordiais, sempre dão bom dia, mesmo que não te conheçam. A escola é incrível e as crianças amam estudar. As casas nunca ficam trancadas e você não precisa andar com medo nas ruas.
  • Negativos: não temos transporte público (ônibus, trem, metrô e nem táxi), ou seja, precisa ter carro se quiser sair de casa. A alimentação nas escolas é um pouco deficiente (eles sabem disso e estão tentando mudar). A vila não possui grandes lojas de departamento, mercados e restaurantes, então para isso vamos a Findlay ou Lima, cerca de 25 minutos de carro daqui de Bluffton.

Quanto ao clima, Bluffton possui suas estações bem demarcadas. Temos bastante frio e neve nos meses de inverno e muito calor no verão (com média, todos os dias, acima de 30°). Os moradores ficaram um pouco decepcionados com o último inverno pois houve pouca neve. Para a minha família foi ótimo! (risos) No verão, nos finais de semana vamos bastante para as cidades vizinhas quando precisamos fazer compras. À tarde vamos à piscina da cidade ou das cidades que ficam perto, ao lago (que possui uma faixa de areia e brinquedos para as crianças) ou ficamos em casa e fazemos um churrasco para os nossos amigos. Já no inverno, podemos ir ao boliche, à pista de patinação ou recebemos as pessoas em casa para conversar e comer alguma coisa.

Bluffton é uma vila pequena e encantadora! Para nos visitar, reserve alguns dias para viver a paz e tranquilidade do local e estar inserido no modo de viver do americano. Passeie pela rua principal (Main St.) e entre nas lojinhas, parando para tomar um capuccino delicioso no Main Street Cafe. Percorra a vila e repare na arquitetura das casas e como são enfeitadas para todas as épocas do ano. Sinta o sossego da vida no interior. Você pode ir até ao lago ou aos outros parques caminhar, andar de bicicleta ou pescar. Pare para almoçar no Mustard Seed Cafe, um restaurante local com cardápio que varia de acordo com as estações do ano. O lugar é bem pequeno, mas um charme, ocupando a antiga estação de trem de Bluffton. Se você quer comer algo que não seja das grandes franquias, este é o lugar. À noite você pode dar uma passadinha no Luke’s Bar & Grill, um misto de bar e restaurante, onde você pode experimentar bebidas diferentes e comer um salmão delicioso. Nas quintas-feiras tem karaokê e em algumas sextas-feiras tem música ao vivo.

Aqui em Bluffton há 9 famílias brasileiras e todos os maridos trabalham na mesma empresa. Aqui encontramos algumas famílias que hoje fazem parte da nossa vida e que são muito importantes para nós, estamos sempre reunidos fazendo alguma coisa, seja churrasco, comer uma pizza, ou só pra jogar conversa fora.

O mercado brasileiro mais próximo é o Saraga International Grocery, que fica na cidade de Columbus, a 2 horas de distância daqui. Lá o pessoal compra de tudo: Fandangos, massa para pão de queijo, massa para tapioca, guaraná, bombons, picanha… Ainda não tive a oportunidade de ir até lá! Mas no Walmart, há um espaço de comida mexicana onde encontramos leite condensado, creme de leite, o feijão (que é muito bom e barato!), arroz… Encontrei também outros itens que gostava de comprar no Brasil no Meyer (Yakult e guaraná) e em uma lojinha chinesa onde já comprei mandioca, colorau, azeite de dendê. Um achado! Ou seja, morrer de fome ninguém vai!

Quanto a restaurantes brasileiros, sei que há o Sabor Brazilian Bar & Grill em Toledo (1 hora daqui) e o Texas de Brazil em Columbus (que é bem caro, por sinal). No mais, só a comidinha aqui de casa mesmo.

Sobre saudades do Brasil, sinto falta da família que ficou lá, dos amigos, da minha casa… Também sinto falta de comida japonesa (aqui eles colocam abacate em tudo!) e de tomar café na padaria com pão francês!

Não temos planos de voltar a residir no Brasil. A decisão de vir morar nos Estados Unidos foi muito bem pensada e nos preparamos para isso. Mas a vida é cíclica e não sabemos o que nos reserva o futuro. Vamos para o Brasil no fim do ano para matar a saudade da família e dos amigos e depois voltamos para cá, onde agora temos o nosso lar.

Conselhos para quem quer morar nos EUA

Para o brasileiro que sonha em morar aqui, é importante amadurecer a ideia. Morar fora é realmente um sonho mas pode virar um pesadelo. Sim, aqui é muito barato, dá vontade de comprar tudo, mas o custo de vida é alto também! Coloque os pés no chão.

Procure vir com sua situação legalizada (as pessoas olharão para você de outra forma), venha sabendo o que vai fazer, onde vai morar, como é o lugar, seus costumes, o clima… Tudo isso você pode pesquisar na Internet. Não saia do Brasil no desespero. Por pior que seja a situação, pelo mesmo aí você está em um lugar onde as pessoas falam a sua língua, onde você tem a sua família e amigos.

Depois de feita a lição de casa, prepare-se para chegar em um lugar com costumes diferentes dos seus. Não saia por aí querendo que todo mundo mude. Aprenda a ouvir mais e falar menos. Venha com vontade de trabalhar porque aqui são poucos os feriados e temos poucos dias de férias.

Traga dinheiro! Até você receber o primeiro pagamento vai demorar e você precisará pagar o aluguel, comer, comprar alguns itens como, por exemplo, blusa de frio (vai por mim: as blusas do Brasil não fazem nem cócegas no frio daqui!) e, dependendo da cidade, você vai precisar de um carro para ir para todos os lugares.

Estude inglês! Estude, estude…. Mas se não deu tempo, pelo menos entre em site gratuitos que ensinam inglês ou em vídeos no YouTube. É uma mão na roda!

Tatiana Romeiro

 

Bluffton

Bluffton

 

Conheça outras cidades americanas:

Compartilhe

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply
    Como é morar em Mill Creek, Washington | Descobri a América!
    08/09/2016 at 13:40

    […] Como é morar em Bluffton, estado de Ohio […]

  • Reply
    Como é morar em Redlands, Califórnia | Descobri a América!
    13/09/2016 at 13:17

    […] Como é morar em Bluffton, estado de Ohio […]

  • Reply
    Quero morar nos Estados Unidos | Descobri a América!
    13/09/2016 at 13:59

    […] Estude inglês! Estude, estude…. Mas se não deu tempo, pelo menos entre em site gratuitos que ensinam inglês ou em vídeos no YouTube. É uma mão na roda!” (Tatiana Romeiro – Bluffton, Ohio) […]

  • Reply
    Como é morar em Miami, Flórida | Descobri a América!
    12/10/2016 at 10:20

    […] Como é morar em Bluffton, estado de Ohio […]

  • Leave a Reply